DFC: Saiba como fazer

DFC: Saiba como fazer

O DFC se trata de um relatório em que são verificados todos os principais recursos financeiros obtidos por uma empresa…

 | 

O DFC se trata de um relatório em que são verificados todos os principais recursos financeiros obtidos por uma empresa e os detalhes de como eles foram aplicados.

É um documento que demonstra todas as entradas e saídas do caixa da empresa.

O DFC deve ser feito na forma de relatório para todas as empresas de capital aberto ou que tenham patrimônio líquido acima de 2 milhões.

Portanto, ela se encaixa como um parâmetro financeiro que reflete a capacidade de uma companhia em gerar seu caixa.

A emissão do DFC ainda analisa a saúde financeira de cada negócio e encontra erros existentes nos processos da empresa.

O que é DFC?

O DFC é a Demonstração de Fluxo de Caixa ou Demonstrativo de Fluxo de Caixa como alguns a conhecem. 

Aliás, trata-se de um relatório da contabilidade que aponta todas as entradas e saídas financeiras do negócio dentro de um período analisado

Bem como quais foram os resultados deste fluxo de dinheiro ao final do período.

Entretanto, o DFC não considera apenas as entradas e saídas do fluxo de caixa, ela também abrange as aplicações com liquidez imediata, assim como as contas bancárias.

As bases do DFC

A partir das normas contábeis existentes, as empresas precisam seguir um padrão de DFC, para que no final, os resultados entre os desempenhos de cada empresa possam ser comparados pelos investidores e interessados.

Sendo assim, o Demonstrativo de Fluxo de Caixa pode ser realizado a partir de três atividades principais: a operacionalização, os investimentos e os financiamentos.

Operacionalização

A operacionalização abrange todos os fluxos resultados a partir da produção e entrega de produtos e serviços feitos pela empresa.

Similarmente, análise de dados referentes aos custos e despesas, contas a pagar e a receber e pagamentos feitos à vista devem ser considerados.

Para isso, os dados de Balanço Patrimonial e do DRE são utilizados, formando a Demonstração do Resultado do Exercício.

Investimento

Aqui estão situadas as transações feitas pela companhia, através da compra e venda de ativos não circulantes do balanço patrimonial.

Financiamento

O financiamento são todas as vezes que a empresa necessitou recorrer aos recursos de terceiros como bancos e instituições financeiras.

Ou até mesmo recursos privados dos donos, devido a alguma falta de dinheiro no caixa da mesma.

Quer saber mais sobre o mundo contábil? Conheça o canal da Tron no Youtube.

Visto que, lá você confere vídeos incríveis e dicas exclusivas para conquistar clientes  e melhorar cada vez mais o seu trabalho na contabilidade.

Aproveite e se inscreva, assim você não perde nenhum assunto ou vídeo!

Como fazer o DFC

Primeiramente, para realizar o relatório de DFC você deve optar por um dos dois métodos que existem para preencher: o método direto e o método indireto:

  • Método Direto: As atividades operacionais da empresa são feitas a partir dos recebimentos de clientes e pagamento dos fornecedores e das despesas.  O método direto engloba todas as entradas e saídas brutas de recursos no período.
  • Método Indireto: No método indireto não leva-se em conta os pagamentos e recebimentos, nem as entradas e saídas brutas, mas sim o ajuste do lucro líquido e as variações das contas patrimoniais ligadas ao DRE.

Passo a passo do DFC

Veja agora, um exemplo de como deve ser calculado o DFC:

  1. De início, você deve somar todos os resultados líquidos de cada grupo de atividade: operacionalização, investimentos e financiamentos;
  2. Em seguida, é necessário igualar a diferença dos saldos de cada grupo no começo e fim do período analisado e somar todos ao final.

Para simplificar, considere abaixo: (+ )= Soma  ;   ( – )= Subtração ;  (=) =Igual a.

Operacionalização

  • Recebimento de venda de serviços e produtos (+);
  • Subtotal (=).
  •  Pagamento de :
    •  Juros (-);
    • Fornecedores (-);
    • Para pessoas físicas (-);
    • Impostos (-);
    • Salário dos funcionários (-);
    • Impostos sobre faturamento (-);
    • Despesas operacionais (-);
    • Custos indiretos (-).

Investimentos 

  • recebimento dos ativos imobilizados através de venda (+);
  • pagamento dos ativos imobilizados através de compra (-);
  • Subtotal (=).

Financiamentos 

  • empréstimos (+);
  • injeção de capital (+);
  • pagamento de empréstimos (-);
  • pagamento dos dividendos (-);
  • redução de capital (-);
  • Subtotal (=).

Vantagens do DFC

O DFC oferece algumas vantagens para as empresas.

Ele serve como um espelho da saúde financeira da organização, ajudando muito na hora da tomada de novas decisões e caminhos a serem seguidos.

Além disso, outra vantagem é que  o relatório possibilita que a empresa compare os resultados anteriores com o resultado atual para identificar quais são as épocas de maior lucro e que trazem mais dinheiro para o negócio.

O documento permite também que seja feita uma comparação entre as metas e os resultados alcançados entre um período de tempo.

Assim como identificar se o caixa da empresa ao final de tudo vai estar em saldo positivo ou saldo negativo.

Investidores se baseiam no DFC

Com o DFC atualizado e em mãos, a empresa tem maior segurança frente aos possíveis investidores, já que ele também serve como uma prova da companhia em gerar dinheiro.

Por fim, o  DFC também ajuda na identificação de possíveis fraudes contábeis.

Assim como a possibilidade de o investidor analisar o DFC de diferentes organizações ou mesmo verificar o crescimento da empresa com  o tempo. 

Contudo, a única desvantagem que o DFC oferece diz respeito ao tempo necessário para sua realização já que requer um tempo considerável para sua realização completa.

Temos programas flexíveis e práticos como o Tron Gestão Contábil, e uma grande variedade de programas para contadores, empresas, condomínios e estudantes.

Entre em contato com a Tron agora mesmo e conheça nossos serviços e produtos.

Por fim, fique por dentro do universo contábil para sempre!

Os comentários estão desativados.