Confira como calcular IRRF

Confira como calcular IRRF

Primeiramente, para sabermos como calcular o IRRF, devemos entender sua existência e relação com o IR. Então, para começo de…

 | 

Primeiramente, para sabermos como calcular o IRRF, devemos entender sua existência e relação com o IR.

Então, para começo de conversa, as pessoas que possuem uma faixa de renda maior, precisam declarar seus ganhos para o governo anualmente.

Isto é realizado por meio da declaração do imposto de renda, feita uma vez por ano, em 2022 deverá ser entregue até o último dia de maio.

Entretanto, existem alguns rendimentos que precisam ser recolhidos pela Receita Federal mensalmente.

Daí, esses rendimentos são recolhidos através de um tributo, chamado IRRF, o imposto de renda retido na fonte.

O que é IRRF e qual a sua relação com o imposto de renda?

O IRRF também é conhecido como DIRF, ou Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte.

Dessa forma, a receita ao invés de esperar até o ano seguinte exige que o IR seja feito de forma mensal, através do IRRF.

Contudo, o IRRF é apurado e retido pela fonte pagadora do imposto. 

Quais os casos de obrigatoriedade do pagamento do IRRF?

Dentre os casos que são obrigatórios o pagamento do IRRF estão:

  • Remuneração  de qualquer serviço feito entre pessoas jurídicas (empresas);
  • Pagamento de trabalho por salários;
  • Pagamento de trabalho não assalariado;
  • Qualquer rendimento advindo de aluguéis e royalties;
  • Os rendimentos surgidos através de investimentos;
  • Rendimentos pagos a pessoas físicas domiciliadas no Brasil;
  • O pagamento seja em forma de crédito, entrega, emprego ou remessa de dinheiro para residentes ou domiciliados no exterior;
  • Os pagamentos relativos a planos de assistência à saúde – coletivo empresarial.

Dessa forma, os serviços, salários, aluguéis e rendimentos podem ser pagos diretamente na fonte.

Assim como a retenção dependerá sempre do valor recebido por cada contribuinte do IRRF.

Por isso, para calcular o IRRF sobre o salário, por exemplo, é necessário que o valor esteja acima de um determinado valor mensal.

No entanto, outros recebimentos como seguro-desemprego, auxílio-doença, prêmios ou gratificações, indenizações ou mesmo a aposentadoria tem um impacto sobre o cálculo do IRRF.

Ao passo que quando o trabalho é assalariado, baseado apenas na cobrança do serviço, a empresa contratante é a responsável por pagar o IR referente ao salário do colaborador.

Como calcular o IRRF

Para calcular o IRRF é preciso saber que existem algumas regras.

A primeira delas é que,  para cada dependente, existe um abatimento de R$189,59 da renda mensal para calcular o IRRF.

Em seguida, a próxima regra diz sobre os salários, onde deve-se atentar que o imposto de renda retido na fonte não incide sobre o salário bruto.

Dessa forma, precisa-se debater o desconto do valor pago ao INSS para só então, calcular o IRRF.

Porém, as taxas de porcentagem podem variar de 7,5% até 27,5% da alíquota, de acordo com a base de cálculo dedutível.

Então, após o desconto do INSS ter sido feito, é necessário encontrar a faixa onde a remuneração do salário se encontra.

Outro detalhe é que para cada dependente, existe um abatimento de R$189,59 da renda mensal para calcular o IRRF.

Para isso, é preciso consultar a tabela abaixo:

Base de Cálculo Dedutível % da AlíquotaParcela Dedutível em R$
Até 1.903,980%0,00
De 1.903,99 até 2.826,65    7,5%142,80
De 2.826,66 até 3.751,0515%354,80
De 3.751,06 até 4.664,6822,5%636,13
Acima de 4.664,6927,5%869,36

Consultando a tabela acima, vemos que quando o rendimento é menor que R $1.903,98 não existe a cobrança do IRRF.

No entanto, quando o valor é superior ao salário mínimo, a fonte pagadora deve aplicar a cobrança sobre a renda.

Logo após, ainda é preciso reduzir o valor da parcela dedutível. 

Além disso, outro detalhe é que para cada dependente, existe um abatimento de R$189,59 da renda mensal para calcular o IRRF.

Exemplo de como calcular o IRRF

Talvez até aqui ainda esteja complicado, por isso vamos dar um exemplo.

Imagine um trabalhador com salário de 3.000 reais por mês, com o desconto do INSS na casa de 9%.

No exemplo acima, para calcular o IRRF será necessário:

  1. Subtrair o desconto do INSS do salário bruto;
  2. Em seguida, multiplicar o resultado pelo resultado da subtração da alíquota menos a parcela dedutível.

Assim: 

IRRF= salário bruto – desconto do INSS X alíquota IRRF – parcela dedutível

IRRF= (3000-9%) X 15% – 354,80 = 2730 X 15%- 354,80 = 409,50-354,80

IRRF= 54,70 por mês.

Assim, considera-se de praxe a porcentagem de desconto sobre o salário bruto abaixo:

  1. Salário de até R$ 1.212,00 – Desconto de 7,5% sobre o salário bruto;
  2. Salário de R$ 1.212,01 até R$ 2.427,35 – Desconto de 9% sobre o salário bruto;
  3. De R$ 2.427,36 até R$ 3.641,03 – Desconto de 12% sobre o salário bruto;
  4. De R $3.641,04 até R $7.087,22 – Desconto  de 14% sobre o salário bruto.

IRRF sobre investimentos

O pagamento da alíquota do IRRF pode ser feito por qualquer tipo de renda, entre elas os rendimentos adquiridos por investimentos.

Existem alguns modelos isentos do IR, como a caderneta de poupança e as letras de crédito (LCA/LCI).

No entanto, com exceção desses modelos, boa parte dos investimentos em renda fixa tem uma retenção direta na fonte.

Entre eles, podemos citar o CDB e o Tesouro Direto.

Nestes casos, para calcular o IRRF sobre os investimentos utiliza-se a tabela regressiva do imposto de renda.

Dessa maneira, quanto mais tempo seu dinheiro  ficar aplicado sobre algum investimento, menor é a incidência do imposto de renda sobre ele.

Tal prática favorece aplicações tributáveis em renda fixa onde você vai receber pelos rendimentos líquidos.

Ou seja, o IRRF já vai estar descontado do valor desses rendimentos.

Para minimizar os efeitos causados por erros no IRRF, as empresas podem contar com a ajuda de um sistema de gestão contábil, por exemplo.

Se você quer saber tudo sobre o cálculo do IRRF, conheça o canal da Tron no Youtube.

Aproveite e se inscreva, assim você não perde nenhum conteúdo novo e fica por dentro de todas as novidades do mundo da contabilidade.

O IRRF pode ser devolvido?

Uma das dúvidas mais comuns de quem contribui com o IRRF é se o imposto pode ser devolvido.

A verdade é que o imposto de renda retido na fonte pode, sim, ser restituído caso  seja recolhido em valores bem acima do que o devido.

Quando isso acontece, o contribuinte deve fazer a declaração anual do Imposto de Renda, ainda que não esteja inserido na faixa obrigatória de rendimentos.

Contudo, ele só terá acesso à restituição do IRRF caso seja apresentada uma declaração à Receita Federal no ano seguinte ao recolhimento do seu IRRF.

Quem entra como dependente no IRRF?

Para ser considerado dependente, de acordo com a legislação precisa se encaixar ou possuir  em algumas das situações abaixo:

  • Filhos de zero até 21 anos;
  • Cônjuge;
  • Pais ou avós;
  • Filhos adotados legalmente.

O que fazer quando se erra alguns dados no cálculo e declaração do IRRF?

A Receita Federal permite que todo erro de cálculo ou de informações sobre o IRRF sejam corrigidas e enviadas novamente.

Essa correção sempre acontece por meio da retificação do IRRF e pode ser feita por até 5 anos após a data do envio da declaração sobre o IRRF.

Porém, é necessário ter atenção frente a alguns pontos sobre a declaração ou cálculo do IRRF.

Solicitação de Retificação pela Receita Federal

A Receita Federal quando identifica inconsistências ou erros na declaração e no cálculo do IRRF solicita diretamente a retificação de informações ao contribuinte.

Quando isso ocorre, a pessoa tem até 30 dias contados para resolver a situação.

Contudo, para fazer a retificação é necessário ter em mãos o número do recibo de envio da declaração.

Caso o contribuinte tenha perdido o número do recibo, o mesmo pode recuperá-lo no próprio programa utilizado para o envio ou indo a alguma unidade da Receita Federal. 

Posteriormente, o contribuinte ou o responsável por enviar e calcular o IRRF deve substituir as informações que ele apresentou na declaração anterior.

Mas, ao final, todos os dados corretos devem continuar com as mesmas informações declaradas anteriormente.

A exceção se aplica apenas aos dados incorretos que foram excluídos ou adicionados.

Portanto, o envio da retificação do IRRF deve sempre ser feita por meio do programa gerador da DIRF.

Então é sempre útil ter muito cuidado e atenção na hora de preencher a declaração do IRRF assim como na hora de calcular o imposto. 

Nos casos em que o pagamento e o envio do IRRF e da declaração são feitos fora do prazo, existe uma multa.

Multas para o não pagamento do IRRF

Esta multa corresponde a 2% do valor das retenções declaradas em cada mês de atraso.

Contudo, ela pode chegar no máximo a 20% sobre o valor devido.

No entanto, caso prefira, existe uma multa mínima aplicada que corresponde a uma taxa de 200 ou 500 reais para as empresas.

Ademais, a multa de 200 reais se aplica às empresas do Simples Nacional e para Pessoa Física e a de 500 reais para as demais instituições.

Conheça agora mesmo o Tron Smart, um programa que auxilia toda a gestão do seu escritório contábil desde o atendimento ao cliente, até o controle das obrigações fiscais, trabalhistas e contábeis. 

Tudo em um único lugar, via portal ou app para Android e iOS.

Para ter acesso ao Tron Smart ainda hoje, entre em contato com a Tron agora mesmo.

Os comentários estão desativados.